É frequente a procura pela melhora estética com auxílio do transplante capilar.

Até a década de 1990, as cirurgias para correção da calvície eram realizadas pelo uso de técnicas e instrumentos que não produziam resultados naturais, com um pós-operatório desconfortável e muitas vezes doloroso.

As cirurgias eram realizadas com o uso de punch, que removia segmentos circulares do couro cabeludo que, na sequência, eram transplantados nas áreas calvas, sem nenhum refinamento, produzindo aspecto semelhante a “cabelo de boneca” – um estigma da cirurgia até então. Na técnica atual, a segmentação microscópica das unidades foliculares é fundamental para garantir o bom resultado estético, sem marcas que possam denunciar o procedimento.

É frequente a procura pela melhora estética de um transplante prévio, realizado pelo uso de punch. A correção cirúrgica nesses casos é possível e satisfatória, mas algumas considerações precisam ser feitas.  Inicialmente, tanto pela técnica utilizada, quanto pelo fato de se tratar de uma reoperação, é importante levar em conta que a área doadora já foi parcialmente comprometida. Além disso, como a linha de implantação nesses casos, normalmente é irregular ou grosseira, eventualmente se faz necessário um tratamento prévio, para remoção de fios implantados em posições ou áreas inadequadas.

Continue lendo:  [:pb]Você sabe como o hormônio testosterona influencia a calvície?[:]

A técnica antiga, pelo uso de punch, resultava em diversas cicatrizes irregulares na região doadora, na parte posterior do couro cabeludo. Além disso, a dor referida pelos pacientes, além de frequente, era muitas vezes de forte intensidade e difícil controle. A técnica atual produz uma cicatriz linear, de difícil identificação (muitas vezes inaparente), camuflada pelo crescimento de fios em toda extensão. Além disso, quando não é indolor, produz desconforto discreto, facilmente controlado pelo uso de analgésicos comuns.

O transplante capilar também se faz necessário para determinados tipos de cicatrizes ou falhas em regiões cobertas por pelos. Pode ser utilizado em cicatrizes localizadas no couro cabeludo (devido a traumatismos ou cirurgia prévia), que resultaram em áreas de alopecia, difíceis de ocultar. Cicatrizes ou falhas localizadas em área de barba ou tórax, por exemplo, também são passíveis de correção cirúrgica, com excelente resultado estético.

Você também pode se interessar por...