As pintas, de modo geral, parecem inofensivas e não apresentam riscos à saúde, mas elas podem se transformar em fatores de risco para doenças, principalmente para o câncer de pele. 

Um estudo realizado no Reino Unido e publicado no British Journal of Dermatology aponta que a quantidade dessas marcas no corpo pode sinalizar, inclusive, a propensão ao melanoma. 

Para os pesquisadores, as pessoas que possuem mais de 11 pintas no braço direito apresentam maior possibilidade de ter mais de 100 delas pelo corpo, o que aumenta em até 12 vezes as chances de desenvolver a doença. 

No entanto, nem toda marca no corpo é fator de risco, existem características nelas que devem ser analisadas e que podem identificar a gravidade da lesão ou não.

Hoje vou explicar para você quando é hora de procurar um médico para tratar delas. 

Quando devo me preocupar com as pintas?

As mais comuns são as marrons, chamadas também de sinais, e denominadas de nevos melanocíticos.

Geralmente, elas surgem a partir da genética ou também da exposição solar. Esses nevos têm formato regular e não apresentam riscos à saúde. 

A atenção deve ser redobrada para os nevos displásicos, que são as pintas não usuais, com formatos irregulares e diferentes tons.

Nesse caso, elas representam lesões graves podendo evoluir para um melanoma. 

O surgimento deles nem sempre significa que a pessoa tem ou terá câncer e, sim, que os riscos dela desenvolver são maiores, por isso, os cuidados com a pele devem ser redobrados. 

Como identificar se a minha pinta é um nevo displásico?

Essa questão é respondida com uma regra internacional que orienta como analisar lesões suspeitas que ajudam a prevenir o câncer de pele.

A regra é denominada ABCDE que consiste na observância de 5 características, que são:

  • A – assimetria,
  • B – bordas irregulares,
  • C – cor,
  • D – diâmetro,
  • E – evolução.

Assimetria

O primeiro passo para saber se elas apresentam características que devem ser avaliadas por um médico é a análise da assimetria. 

Para isso, imagine sua pinta dividida exatamente ao meio e analise cada metade dela. Elas devem ser iguais em todos os sentidos. 

Se qualquer um dos lados apresentar aspectos diferenciados, procure ajuda profissional. 

Bordas irregulares

Todo o contorno das bordas das pintas também devem ser naturais e uniformes.

Qualquer sinal de irregularidade ou serrilhamento é indício de que você precisa procurar com urgência um médico.

Cor

Outro fator determinante para indicar se as pintas são lesões graves é a cor.

De forma geral, toda a área deve apresentar uma cor uniforme, por isso, é preciso ficar atento para: 

  • mudança de coloração,
  • descoloração, 
  • presença de manchas de outras cores, como brancas, azuis, cinzas ou vermelhas. 

Essas características são fortes indícios de que ela pode ser um melanoma. 

Diâmetro

A análise do diâmetro é outro fator importante para identificar a gravidade da lesão e a orientação médica é que ele não deve ser superior a 0,5 cm.

O diâmetro é calculado de uma ponta a outra. 

Evolução

Se observar que as pintas antigas mudaram, cresceram ou apresentaram qualquer anormalidade procure um médico, bem como fique atento para o surgimento de novas.

Por que procurar um cirurgião plástico para tratar minhas pintas?

Na maioria das vezes, quando há o diagnóstico de lesão grave é orientada a retirada da pinta que pode ser realizada pelo dermatologista ou pelo cirurgião plástico.

Por menos invasivo que seja o processo, ele deixará marcas.

Ao realizar o procedimento com um cirurgião plástico, além de eliminá-las e reduzir os riscos do melanoma, você também terá um resultado mais natural, sem cicatrizes na sua pele.

Se esse é o seu caso, acesse meu site e agende um horário comigo, terei o maior prazer em analisar o seu problema e indicar o melhor tratamento.