No decorrer dos atendimentos no meu consultório, observo que muitos pacientes ainda chegam com informações erradas sobre o cisto sebáceo.

O preocupante é que a maioria delas ocorre devido aos mitos que se criam sobre o assunto e estão espalhados aqui na internet.

Acreditar nesses mitos ou ainda desconhecer a verdade leva muitas pessoas a entrarem em desespero quando um ou mais caroços surgem na pele e o contrário também: muitas não buscam atendimento adequado para tratá-los quando é necessário. 

Com intuito de esclarecer esse assunto, preparei esse artigo para explicar o que é real e o que não é, em relação a essa conhecida bolinha de gordura. Continue a leitura e confira.

Mitos e verdades sobre o cisto sebáceo

O cisto sebáceo ou epidérmico, como também é conhecido, é caracterizado por uma espécie de caroço que surge sob a pele. 

Geralmente, ele é incolor e indolor, de formato arredondado, pequeno e expulsa uma secreção, esvaziando e depois enchendo de novo. 

Por se tratar de um nódulo benigno, muitas pessoas não dão a devida atenção quando um ou mais deles surgem. 

E isso está muito relacionado aos mitos que se criaram e ao desconhecimento da verdade.

Os principais que rondam o assunto são:

O cisto epidérmico não precisa de tratamento

Prefiro dizer que nesse caso tudo depende da situação. 

Muitas vezes, de fato, esses cistos não precisam de um tratamento específico, mas o correto é sempre ter o diagnóstico do médico especialista. 

Somente esse profissional poderá orientar com segurança se o paciente de fato não corre riscos. 

De forma geral, quando eles começam a provocar desconforto, crescer mais que o normal, apresentar dor ou pus devem, sim, ser tratados.

O cisto sebáceo se desmancha sozinho

É verdade. 

Realmente a secreção tende a ser expelida e o nódulo vai diminuindo. 

No entanto, ele tende a voltar, inchando, enchendo de secreção e esvaziando novamente. 

O caroço não cresce

Isso é mito.

A glândula sebácea possui um ducto curto, uma espécie de tubo. 

O cisto se forma quando ele entope, provocando o acúmulo de secreção na região. À medida que a quantidade dessa secreção aumenta, o caroço também cresce.

É importante dizer que algumas vezes ele pode crescer de forma excessiva e isso pode trazer complicações, fazendo-o estourar ou desenvolvendo infecção.

Espremer ajuda para que ele diminua e desapareça

Esse é um mito perigoso e vou explicar porquê.

O caroço se localiza em uma região mais profunda no interior da pele e possui uma cápsula resistente que não estoura tão facilmente.

Usar os dedos para espremê-lo ou agulhas para estourá-los pode provocar um quadro sério de inflamação e infecção.

Mesmo sendo tratado ele pode voltar

É verdade.

Geralmente isso acontece porque a cápsula que cobre o nódulo não foi retirada completamente.  

Ele não representa perigo

Repito que depende da situação. 

Na maioria das vezes, ele não representa nenhum sinal de perigo, mas, em algumas situações, é preciso ficar alerta.

São elas:

  • quando o caroço ultrapassa 6 cm,
  • após a remoção, ele retorne de forma muito rápida,
  • apresenta dores, pus, ou vermelhidão.

Não existe tratamento definitivo para o cisto sebáceo

Acreditar nesse mito faz com que muitas pessoas deixem de procurar o médico e o tratamento na hora certa.

Eles têm, sim, tratamento definitivo e ele é realizado por meio de cirurgia. 

Todo o procedimento ocorre com anestesia local, retirando-se o nódulo e a cápsula, que é a responsável por reter a secreção sebácea e queratina. 

Agora que você conheceu alguns dos principais mitos e verdades sobre o cisto sebáceo, não esqueça que estou sempre a disposição para ajudar você a cuidar da sua pele. Entre em contato e vamos conversar.